Nothing but the sun

– E quando eu estava na tua barriga, mãe, eu dormia onde?
– Dormias cá dentro, muito enroladinho…! Dormias, nadavas numa água especial, brincavas…
– Brincava com os meus brinquedos lá dentro…?
Dedos de mãos e pés pequeninos…

Os nossos laços

 – “Mãe, é hoje o dia de a mana vir para a nossa casa?”
Olhos ansiosos buscam a resposta “sim”. Hoje posso dizer-lhe finalmente que “sim”!
Hoje posso olhar para eles, ao mesmo tempo, os meus filhos… aqueles que tenho em mim desde o dia em que houve magia. Hoje serão os dois, como sempre deveria ser: hoje há uma mesa para quatro, e não para três, duas toalhas pequenas de rosto, e não uma. Duas camas para fazer, dois pequenos-almoços para “correr”, dois pares de beijos, à noitinha, mais outros e outros tantos (que só dois pares de beijos sabem a pouco…!). E amanhã, terei dois acordares, diferentes, únicos, genuinamente únicos, dois gatinhos enroscados a mim, pela manhã.
Hoje é o dia de voltarmos a ser “a nossa família”, hoje e por muitos outros dias, vamos aproveitar!